White God

White God (Kornél Mundruczó, 2014)

Fehér isten | White God (Deus branco). Direção: Kornél Mundruczó. Produção: Eszter Gyárfás, Viktória Petrányi. Roteiro: Kornél Mundruczó, Viktória Petrányi, Kata Wéber. Música: Asher Goldschmidt. Fotografia: Marcell Rév. Edição: Dávid Jancsó. Elenco: Zsófia Psotta, Sándor Zsótér, Lili Horváth, Szabolcs Thuróczy, Lili Monori e outros.
― 2014, Hungria, Alemanha, Suécia. 2h 1min. Em húngaro, inglês.

Em uma sociedade distópica em que a criação de cachorros implica no pagamento de uma taxa especial, Lili, uma menina de 13 anos, tenta reencontrar seu melhor amigo canino após seu pai ter abandonado o animal na rua.

[ficha técnica IMDB]

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

 

Críticas e comentários

Anúncios

Como eu festejei o fim do mundo

Como eu festejei o fim do mundo (Cãtãlin Mitulescu, 2006)

Cum mi-am petrecut sfârsitul lumii (Como eu festejei o fim do mundo). Direção: Cãtãlin Mitulescu. Roteiro: Cãtãlin Mitulescu, Andreea Valean. Música: Alexander Balanescu. Fotografia: Marius Panduru. Edição: Cristina Ionescu. Elenco: Dorotheea Petre, Timotei Duma, Ioan Albu, Sergiu Anghel, Adrian Bulboaca e outros.
― 2006, Romênia, França. 1h 46min. Em romeno.

Os irmãos, Eva, de 17 anos, e Lilu, de 7, vivem em Bucareste durante os últimos anos do regime comunista. Depois que Eva quebra acidentalmente um busto do ditador Nicolae Ceausescu e é mandada para colégio interno, seu irmão planeja vingar-se.

[ficha técnica IMDB]

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

 

Críticas e comentários

A classe operária vai ao paraíso

A classe operária vai ao paraíso (Elio Petri, 1971)

La classe operaia va in paradiso (A classe operária vai ao paraíso). Direção: Elio Petri. Produção: Ugo Tucci. Roteiro: Elio Petri, Ugo Pirro. Música: Ennio Morricone. Fotografia: Luigi Kuveiller. Edição: Ruggero Mastroianni. Elenco: Gian Maria Volontè, Mariangela Melato, Gino Pernice, Luigi Diberti, Donato Castellaneta e outros.
― 1971, Itália. 2h 5min. Em italiano.

Lulu Massa é um “operário-padrão”, dedicado e admirado por seus chefes pelo trabalho bem feito, mas detestado pelos demais empregados. Por conta dos baixos salários e das péssimas condições de trabalho, o sindicato decide entrar em greve. Lulu decide não se envolver com o movimento político até o momento em que sofre um acidente com uma das máquinas, o que lhe custa um dedo.

[ficha técnica IMDB]

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

 

Críticas e comentários

Cinema, aspirinas e urubus

Cinema, aspirinas e urubus (Marcelo Gomes, 2005)

Cinema, aspirinas e urubus. Direção: Marcelo Gomes. Produção: Maria Ionescu. Roteiro: Karim Aïnouz, Paulo Caldas, Marcelo Gomes, João Miguel. Música: Tomaz Alves Souza. Fotografia: Mauro Pinheiro Jr. Edição: Karen Harley. Design de produção: Marcos Pedroso. Elenco: João Miguel, Peter Ketnath, Madalena Accioly, Jeane Alves, Veronica Cavalcanti e outros. ― 2005, Brasil. 1h 39min. Em português, alemão. Classificação indicativa: 14 anos.

Em 1942, no meio do sertão nordestino, dois homens se encontram: Johann, um alemão que fugiu da Guerra, e Ranulpho, um brasileiro que quer escapar da seca que assola a região. Viajando de povoado em povoado, eles exibem filmes para pessoas que já haviam conhecido o cinema, para vender um remédio ‘milagroso’. Continuando a cruzar as estradas empoeiradas de um sertão arcaico, eles buscam novos horizontes em suas vidas. Nessa jornada, os dois aprendem a respeitar as diferenças e surge entre eles uma amizade incomum, mas que marcará suas vidas para sempre. .

Ficha técnica: [Cinemateca Brasileira] [IMDB]

Comentários e críticas

Splendor

 

Splendor (Ettore Scola, 1989)

20 jun.
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Splendor. Direção e roteiro: Ettore Scola (1931–2016). Música: Armando Trovajoli. Fotografia: Luciano Tovoli. Edição: Francesco Malvestito. Design de produção: Luciano Ricceri. Elenco: Marcello Mastroianni (1924–1996), Massimo Troisi (1953–1994), Marina Vlady (1938-), Paolo Panelli, Pamela Villoresi e outros.
― 1989, Itália, França. 1h 50min. Em italiano, com legendas em português.

Jordan tem seu próprio cinema na Itália, chamado Splendor. Chantal é sua esposa e caixa do cinema, enquanto Luigi é um amigo da família e projecionista dos filmes. E tudo parecia tranquilo até que as pessoas se desinteressaram pelo cinema. Jordan recebe uma proposta para vender a sala para um outro ramo de negócio. Talvez seja a solução para pagar suas dívidas, embora seja o fim de seus sonhos.

Livre para todos os públicos

Um pano branco estendido e um menino sentado em frente dele. Esse é o cinema de Ettore Scola. Nessa emocionante narrativa, o diretor italiano provoca a nostalgia no espectador ao projetar, na tela do cinema Splendor, alguns dos sucessos que conquistaram o mundo. Filmes dentro do filme. A metalinguística aqui não é apenas um diálogo, mas também uma homenagem.

Gabriela Miranda

 

 

Críticas e comentários

Cinema Paradiso

Cinema Paradiso (Giuseppe Tornatore, 1988)

13 jun.
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Nuovo cinema Paradiso (Cinema Paradiso). Direção: Giuseppe Tornatore. Produção: Franco Cristaldi, Giovanna Romagnoli. Roteiro: Giuseppe Tornatore, Vanna Paoli. Música: Ennio Morricone. Fotografia: Blasco Giurato. Edição: Mario Morra. Design de produção: Andrea Crisanti. Elenco: Antonella Attili, Enzo Cannavale, Isa Danieli, Leo Gullotta, Marco Leonardi e outros.
― 1988, Itália, França. 2h 35min. Em italiano, com legendas em português.

O menino Toto se encanta pelo cinema e inicia uma grande amizade com o projecionista de sua pequena cidade. Já adulto e agora um cineasta bem-sucedido, Toto volta a lembrar de sua infância ao descobrir que seu velho amigo faleceu.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Ladrões de bicicleta

Ladri di Bicilette

6 jun.
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Ladri di bicilette (Ladrões de bicicleta). Direção: Vittorio De Sica (1901–1974). Produção: Giuseppe Amato, Vittorio De Sica. Roteiro: Cesare Zavattini, Oreste Biancoli, Suso Cecchi D’Amico, Vittorio De Sica, Adolfo Franci, Gherardo Gherardi, Gerardo Guerrieri, baseado no romance homônimo de Luigi Bartolini. Música: Alessandro Cicognini. Fotografia: Carlo Montuori. Edição: Eraldo Da Roma. Elenco: Lamberto Maggiorani, Enzo Staiola, Lianella Carell, Elena Altieri, Gino Saltamerenda e outros.
― 1948, Itália. 1h 29min. Em Italiano, com legendas em português

Em Roma um trabalhador de origem humilde, Antonio Ricci, luta para sustentar a família. Precisando de uma bicicleta para começar em um novo emprego, Ricci penhora as roupas de cama da casa. Para desespero da família, a bicicleta é roubada e Antonio sai junto com o filho Bruno para procurá-la pela cidade.

Livre para todos os públicos

Críticas e comentários