Nathalie Granger

27 DE SETEMBRO
quarta-feira − 19h30

Nathalie Granger. Direção e roteiro: Marguerite Duras. Produção: Jean-Michel Carré, Luc Moullet. Fotografia: Ghislain Cloquet. Edição: Nicole Lubtchansky. Elenco: Jeanne Moreau, Lucia Bosé, Gérard Depardieu, Luce Garcia-Ville, Valerie Mascolo e outros.
― 1972, França. P&B, 1h 23min. Em francês, com legendas em português.

Uma tarde na vida de duas mulheres, fechadas em casa e em silêncio. Uma delas, Isabelle Granger, está preocupada com o comportamento violento da filha Nathalie. Do mundo exterior surgem ecos via rádio (a presença de um par de assassinos na região) e, mais tarde, um vendedor de máquinas de lavar. Na singularidade narrativa de Duras, sobressaem uma poderosa impressão de um tempo suspenso, parado, e uma angústia contida.

 

Não recomendado para menores de 10 anos.

 Críticas e comentários

Anúncios

A Baía dos Anjos

20 DE SETEMBRO
quarta-feira − 19h30

La Baie des Anges (A Baía dos Anjos). Direção e roteiro: Jacques Demy. Produção: Paul-Edmond Decharme. Música: Michel Legrand. Fotografia: Jean Rabier. Edição: Anne-Marie Cotret. Elenco: Jeanne Moreau, Claude Mann, Paul Guers, Henri Nassiet, André Certes e outros.
― 1963, França. P&B, 1h 30min. Em francês, com legendas em português.

Um empregado de um banco é levado ao cassino por um colega e acaba vencendo várias partidas. Encorajado por esta ocorrência, parte de férias para Nice (França) para jogar e conhece uma jovem dama que sacrificou toda a sua existência à paixão do jogo. Juntos perdem todo o seu dinheiro, e o herói coloca a mulher entre a escolha do amor a as mesas de aposta

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Falstaff : o toque da meia-noite

13 DE SETEMBRO
quarta-feira − 19h30

 

Falstaff: chimes at midnight (Falstaff: o toque da meia-noite). Direção: Orson Welles. Produção: Ángel Escolano, Emiliano Piedra, Harry Saltzman, Alessandro Tasca. Roteiro: Orson Welles, baseado em peças de William Shakespeare (1564–1616) e nas crônicas de Raphael Holinshed (1529–1580). Música: Angelo Francesco Lavagnino. Fotografia: Edmond Richard. Edição: Elena Jaumandreu, Frederick Muller, Peter Parasheles. Design de produção: Mariano Erdoiza. Decoração: José Antonio de la Guerra. Figurino: Orson Welles. Elenco: Orson Welles, Jeanne Moreau, Margaret Rutherford, John Gielgud, Marina Vlady e outros.
― 1965, Suiça, França, Espanha. P&B, 1h 59min. Em inglês, com legendas em português.

Inglaterra, início do século XV. Na iminência de uma guerra civil, o já idoso e doente rei Henrique IV luta tanto para manter seu reinado quanto contra os costumes boêmios que seu filho Hal, o futuro rei Henrique V, leva ao lado de Falstaff, um velho beberrão dono de hábitos desregrados.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Críticas e comentários

A noite americana

A noite americana (François Truffaut, 1973)

6 DE SETEMBRO
quarta-feira − 19h30

La nuit américaine (A noite americana). Direção: François Truffaut. Produção: Marcel Berbert. Roteiro: François Truffaut, Jean-Louis Richard, Suzanne Schiffman. Música: Georges Delerue. Fotografia: Pierre-William Glenn. Edição: Martine Barraqué, Yann Dedet. Design de produção, direção de arte: Damien Lanfranchi. Figurino: Monique Dury. Elenco: Jacqueline Bisset, Valentina Cortese, Dani, Alexandra Stewart, Jean-Pierre Aumont, Jean Champion, Jean-Pierre Léaud, François Truffaut, Nike Arrighi e outros.
― 1973, França, Itália. 1h 55min. Em francês e inglês, com legendas em português.

Na França começam as filmagens do longa Je vous présente Pamela, que conta a história de uma jovem inglesa que troca o marido francês pelo sogro. Ferrand (François Truffaut) é o diretor, e tem que lidar com os mais diversos problemas que aparecem nos sets de filmagens, desde a depressão de um ator até o inusitado gato que não consegue atuar. Uma encantadora homenagem à arte de fazer cinema.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

 A Noite Americana é um dos mais humanos e
interessantes filmes já realizados sobre o cinema.

Luiz Santiago

Críticas e comentários

Underground

18 DE JULHO
terça-feira − 19h30

Underground (Underground: mentiras de guerra). Direção: Emir Kusturica. Produção: Pierre Spengler. Roteiro: Dusan Kovacevic, Emir Kusturica. Música: Goran Bregovic. Fotografia: Vilko Filac. Edição: Branka Ceperac. Elenco: Predrag ‘Miki’ Manojlovic, Lazar Ristovski, Mirjana Jokovic, Slavko Stimac, Ernst Stötzner e outros.
― 1995, República Federal da Iugoslávia, França, Alemanha, Bulgária, República Checa, Hungria. 2h 50min Em sérvio, alemão, francês, inglês, russo, com legendas em português.

Durante a Segunda Guerra Mundial, num esconderijo subterrâneo em Belgrado, dois amigos fazem fortuna utilizando refugiados em um abrigo subterrâneo para produzir armas que vendem no mercado negro. Marko é um jovem líder de uma banda musical, e participa do submundo do tráfico de armas. Junto com seu amigo Blaky, Marko passa a fornecer armas aos membros da resistência e em pouco tempo conseguem enriquecer. No final do conflito, Marko continua iludindo os refugiados por mais quinze anos, para explorá-los e assim tornando-se mais ricos.

Não recomendado para menores de 16 anos

Sólo le pido a Dios
Que la guerra no me sea indiferente
Es un monstruo grande y pisa fuerte
Toda la pobre inocencia de la gente

León Gieco

 

Críticas e comentários

8½ (Otto e mezzo)

4 DE JULHO
terça-feira − 19h30

(Otto e mezzo / Oito e meio). Direção: Federico Fellini. Produção: Angelo Rizzoli. Roteiro: Federico Fellini, Ennio Flaiano, Tullio Pinelli, Brunello Rondi. Música: Nino Rota. Fotografia: Gianni Di Venanzo. Edição: Leo Catozzo. Design de produção, direção de arte e figurino: Piero Gherardi. Decoração: Vito Anzalone. Elenco: Marcello Mastroianni, Claudia Cardinale, Anouk Aimée, Sandra Milo, Rossella Falk e outros.
― 1963, Itália; França. P&B, 2h 18min. Em italiano, francês, inglês, alemão, com legendas em português.

Guido Anselmi, um famoso cineasta, encontra-se em crise de criatividade. Ao perceber um certo esgotamento no seu estilo de vida, resolve se internar em uma estação-de-águas para buscar inspiração.

É considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

A sedutora Madame Bovary

20 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

Madame Bovary (A sedutora Madame Bovary). Direção: Vincente Minnelli. Produção: Pandro S. Berman. Roteiro: Robert Ardrey, baseado no romance Madame Bovary (1857), de Gustave Flaubert  (1821–1880). Música: Miklós Rózsa. Fotografia: Robert H. Planck. Edição: Ferris Webster. Direção de arte: Cedric Gibbons e Jack Martin Smith. Elenco: Jennifer Jones, James Mason, Van Heflin, Louis Jourdan, Alf Kjellin e outros.
― 1949, Estados Unidos.  P&B, 1h 54min. Em inglês, com legendas em português.

Emma – sonhadora e de alma burguesa – casa-se com Charles, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento da filha dá alegria ao indissolúvel casamento ao qual a protagonista se sente presa. Emma, cada vez mais angustiada e frustrada, busca no adultério uma forma de encontrar a liberdade e a felicidade.
Madame Bovary, de Gustave Flaubert, é uma das obras-primas do realismo/naturalismo francês. Sua publicação produziu tamanho impacto na sociedade que seu autor foi levado aos tribunais, acusado de ultraje à moral pública e religiosa e aos bons costumes. Em sua defesa, Flaubert dirá a célebre frase “Emma Bovary c’est moi!” (Emma Bovary sou eu). O filme inicia com a defesa de Flaubert no tribunal. Ao fazer sua argumentação, o autor narra aos espectadores o romance.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários