Blade Runner (1982)

28 DE NOVEMBRO
terça-feira − 19h30

Blade Runner (Blade Runner, o caçador de androides). Direção: Ridley Scott. Produção: Michael Deeley. Roteiro: Hampton Fancher, David Webb Peoples, inspirado no romance Do Androids Dream of Electric Sheep? (1968), de Philip K. Dick. Música: Vangelis. Fotografia: Jordan Cronenweth. Edição: Terry Rawlings, Marsha Nakashima. Design de produção: Lawrence G. Paull. Direção de arte: David L. Snyder. Figurino: Michael Kaplan, Charles Knode. Elenco: Harrison Ford, Rutger Hauer, Daryl Hannah, James Hong, Sean Young e outros.
― 1982, Estados Unidos, Hong Kong. 1h 57min. Em inglês, com legendas em português.

No século 21, uma corporação desenvolve clones humanos para serem usados como escravos em colônias fora da Terra, identificados como replicantes. Em 2019, um ex-policial é acionado para caçar um grupo fugitivo vivendo disfarçado em Los Angeles.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

 

 Críticas e comentários

Anúncios

Guerra nas Estrelas: O Império contra-ataca

O Império contra-ataca (Irvin Kershner, 1980)

21 DE NOVEMBRO
terça-feira − 19h30

Star Wars: episode V – The Empire strikes back (Guerra nas Estrelas: O Império contra-ataca). Direção: Irvin Kershner. Produção: Gary Kurtz. Roteiro: Leigh Brackett, Lawrence Kasdan, George Lucas. Música: John Williams. Edição: Paul Hirsch. Design de produção: Norman Reynolds. Direção de arte: Leslie Dilley, Harry Lange, Alan Tomkins. Figurino: John Mollo. . Elenco: Mark Hamill, Harrison Ford, Carrie Fisher, Billy Dee Williams, Anthony Daniels e outros.
― 1980, Estados Unidos. Lucasfilm.2h 4min. Em inglês, com legendas em português.

Yoda treina Luke Skywalker para ser um cavaleiro Jedi. Han Solo corteja a Princesa Leia enquanto Darth Vader retorna para combater as forças rebeldes que tentam salvar a galáxia.

The Empire Strikes Back is the best of three Star Wars films,
and the most thought-provoking.

Roger Ebert

Livre para todos os públicos

 Críticas e comentários

Solaris

 

15 DE NOVEMBRO
quarta-feira − 19h30

Солярис (Solaris). Direção: Andrei Tarkovsky. Roteiro: Fridrikh Gorenshteyn, Andrei Tarkovsky, baseado no romance homônimo de Stanislaw Lem Música: Eduard Artemev. Fotografia: Vadim Yusov. Edição: Lyudmila Feyginova, Nina Marcus. Design de produção: Mikhail Romadin. Cenários: S. Gavrilov, V. Prokofev. Figurino: Nelli Fomina. Elenco: Natalya Bondarchuk, Donatas Banionis, Jüri Järvet, Vladislav Dvorzhetskiy, Nikolay Grinko e outros.
― 1972, União Soviética. P&B (eastman double-X negative film) e colorido (eastman color), 2h 47min. Em russo, alemão, com legendas em português.

Um famoso cosmonauta-psiquiatra é enviado para a estação científica que está em órbita do planeta oceânico Solaris. Na estação, há intrigantes aparições, motivando o suicídio de um dos tripulantes e causando intensa perturbação mental nos dois remanescentes. Ao debater a natureza das aparições com os cientistas a bordo, Kris tenta se aferrar à realidade, ao mesmo tempo em que luta contra a tentação de acreditar em sua própria alucinação. Tarkovsky, ao contrário das ficções científicas da época, procura explorar um espaço muito mais vasto e perigoso do que o que nos rodeia, o espaço interior.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

 

 

 Críticas e comentários

2001: uma odisseia no espaço

2001 uma odisseia no espaço (Stanley Kubrick, 1968)

7 DE NOVEMBRO
terça-feira − 19h30

2001: A Space Odyssey (2001: uma odisseia no espaço). Direção: Stanley Kubrick. Produção: Stanley Kubrick. Roteiro: Stanley Kubrick, Arthur C. Clarke, baseado no conto The Sentinel (1951), de Arthur C. Clarke (1917 – 2008). Música: Aram Khachaturyan, György Ligeti, Johann Strauss, Richard Strauss. Fotografia: Geoffrey Unsworth. Edição: Ray Lovejoy Elenco: Keir Dullea, Gary Lockwood, William Sylvester, Daniel Richter, Leonard Rossiter e outros.
― 1968, Estados Unidos, Reino Unido. Colorido (technicolor, metrocolor), 2h 29min. Em inglês, russo, com legendas em português.

Desde a Aurora do Homem, um misterioso monolito negro parece emitir sinais de outra civilização interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas é enviada à Júpiter para investigar o enigmático monolito na nave Discovery, totalmente controlada pelo computador HAL 9000. Entretanto, no meio da viagem HAL entra em pane e tenta assumir o controle da nave, eliminando um a um os tripulantes.

Livre para todos os públicos

 Críticas e comentários

Viagem à Lua (1902)

No dia 27 de março, às 19h30, o Cine-Fórum CCB apresenta Viagem à Lua (1902), de Georges Méliès (1861 — 1938). Os comentários serão de Osmar Arouck, bibliotecário, e Anali Furquim Ribeiro, mestre em cinema.

A apresentação de Viagem à Lua inicia a série de sessões sobre história do cinema que o Cine-Fórum apresentará na última terça-feira de cada mês, ao longo de 2012. Além de Viagem à Lua, serão apresentados outros filmes de curta duração realizados por Méliès: Un homme de têtes (1898), Le Cake-Walk infernal (1903), Le tripot clandestin (1905), Le mélomane (1903), Le chaudron infernal (1903).

Viagem à Lua inspira-se em algumas obras de ficção: História verdadeira (Luciano de Samósata, séc. II),  Da Terra à Lua (VERNE, 1865), Viagem ao redor da Lua (VERNE, 1870) e Os Primeiros Homens na Lua (WELLS, 1901). Viagem à Lua é o primeiro filme a ser apresentado no livro 1001 filmes para ver antes de morrer (SCHNEIDER, 2010), com resumo e comentário de Chiara Ferrari (2010). Laurent Jullier e Michel Marie (2009) fazem uma boa análise de sequências do filme, em seu livro Lendo as imagens do cinema.

Sinopse

Em um congresso científico o professor Barbenfouillis (Méliès) tenta convencer seus colegas a participarem de uma viagem de exploração à Lua. Após vigoroso debate, seu plano é aceito e cinco voluntários se apresentam para a expedição. Em uma fábrica, constrói-se um canhão gigante que vai lançar um foguete-obus para a Lua. A nave crava-se no olho direito da Lua, que é representada com uma face antropomórfica. Os cientistas contemplam o céu estrelado, adormecem. Após o repouso, penetram nas entranhas lunares onde se confrontam com os selenitas que os levam ao seu rei. Depois de descobrirem que os inimigos somem em uma nuvem de fumaça ao simples toque de um guarda-chuva, os cientistas conseguem escapar e retornar à Terra. Um selenita agarrado ao projétil é levado com ele. Eles caem no oceano. São resgatados e recebidos como heróis.

Le voyage dans la lune • Viagem à Lua ― Georges Méliès (1902) França. Elenco: Georges Méliès, Victor André, Bleuette Bernon. (14 min)

 Entrada franca.

 Classificação indicativaLivre para todos os públicos

Críticas e comentários

Bibliografia básica

  1. BERGAN, R. …ismos: para entender o cinema. São Paulo: Globo, 2010. 159 p.
  2. BRISELANCE, M.-F.; MORIN, J.-C. Gramática do cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2012. 476 p.
  3. FERRARI, C. Viagem à Lua. In: SCHNEIDER, S. J. (Ed.). 1001 filmes para ver antes de morrer. Rio de Janeiro: Sextante, 2010. p. 20.
  4. JULLIER, L.; MARIE, M. Lendo as imagens do cinema. São Paulo: Senac, 2009. 285 p.
  5. LUCIEN DE SAMOSATE. Histoire véritable. Séc. II.
  6. MACHADO, A. Pré-cinema e pós-cinema. 6. ed. Campinas: Papirus, 2011. 271 p.
  7. SCHNEIDER, S. J. (Ed.) 1001 filmes para ver antes de morrer. Rio de Janeiro: Sextante, 2010. 959 p.
  8. VERNE, J. Autour de la Lune. Paris: J. Hetzel, 1870. (Les Voyages extraordinaires).
  9. VERNE, J. De la Terre à la Lune: trajet direct en 97 heures 20 minutes. Paris: J. Hetzel, 1865. (Les Voyages extraordinaires).
  10. WELLS, G. H. The First Men in the Moon. London: George Newnes, 1901.

Veja também

Trailer