Tão longe, tão perto!


25 DE JULHO
terça-feira − 19h30

In weiter Ferne, so nah! (Tão longe, tão perto!). Direção: Wim Wenders. Produção: Wim Wenders Ulrich Felsberg. Roteiro: Wim Wenders, Ulrich Zieger, Richard Reitinger. Música: Laurent Petitgand, Graeme Revell. Fotografia: Jürgen Jürges. Edição: Peter Przygodda. Design de produção: Albrecht Konrad. Direção de arte: Martin Schreiber. Figurino: Esther Walz. Elenco: Otto Sander, Nastassja Kinski, Peter Falk, Bruno Ganz, Horst Buchholz e outros.
― 1993, Alemanha. 2h 24min. Em alemão, francês, inglês, italiano, russo, com legendas em português.

Quando um anjo ousa cruzar a linha, ele chega a cidade de Berlim passando pela dura realidade do pós-Guerra Fria e acaba engajado em um combate fatal para proteger os mortais que ele ama.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

 

 Críticas e comentários

Underground

18 DE JULHO
terça-feira − 19h30

Underground (Underground: mentiras de guerra). Direção: Emir Kusturica. Produção: Pierre Spengler. Roteiro: Dusan Kovacevic, Emir Kusturica. Música: Goran Bregovic. Fotografia: Vilko Filac. Edição: Branka Ceperac. Elenco: Predrag ‘Miki’ Manojlovic, Lazar Ristovski, Mirjana Jokovic, Slavko Stimac, Ernst Stötzner e outros.
― 1995, República Federal da Iugoslávia, França, Alemanha, Bulgária, República Checa, Hungria. 2h 50min Em sérvio, alemão, francês, inglês, russo, com legendas em português.

Durante a Segunda Guerra Mundial, num esconderijo subterrâneo em Belgrado, dois amigos fazem fortuna utilizando refugiados em um abrigo subterrâneo para produzir armas que vendem no mercado negro. Marko é um jovem líder de uma banda musical, e participa do submundo do tráfico de armas. Junto com seu amigo Blaky, Marko passa a fornecer armas aos membros da resistência e em pouco tempo conseguem enriquecer. No final do conflito, Marko continua iludindo os refugiados por mais quinze anos, para explorá-los e assim tornando-se mais ricos.

Não recomendado para menores de 16 anos

Sólo le pido a Dios
Que la guerra no me sea indiferente
Es un monstruo grande y pisa fuerte
Toda la pobre inocencia de la gente

León Gieco

 

Críticas e comentários

A nau dos insensatos

11 DE JULHO
terça-feira − 19h30

Ship of Fools (A nau dos insensatos). Direção e produção: Stanley Kramer. Roteiro: Abby Mann, baseado no romance Ship of fools (1962), de Katherine Anne Porter. Música: Ernest Gold. Fotografia: Ernest Laszlo. Edição: Robert C. Jones. Design de produção: Robert Clatworthy. Decoração: Joseph Kish. Figurino: Bill Thomas. Elenco: Vivien Leigh, Simone Signoret, José Ferrer, Lee Marvin, Oskar Werner e outros.
― 1965, Estados Unidos. P&B, 2h 29min. Em inglês, alemão, espanhol, com legendas em português.

O filme mostra a história de diferentes passageiros a bordo de um navio que viaja do México rumo à Alemanha pré-Hitler. Durante longos 36 dias, vários personagens contam suas vidas e suas experiências. Há um discípulo do nazismo, um rico judeu, um dançarino franzino e sua trupe. Um médico, Wilhelm Schumann, fica frustrado por não conquistar a bela Condessa; há o nobre e amaldiçoado espanhol; o amor entre os dois jovens e artistas americanos. E há também Glocken, um anão filósofo que anuncia que aquela é a nau dos insensatos.

Livre para todos os públicos

Críticas e comentários

8½ (Otto e mezzo)

4 DE JULHO
terça-feira − 19h30

(Otto e mezzo / Oito e meio). Direção: Federico Fellini. Produção: Angelo Rizzoli. Roteiro: Federico Fellini, Ennio Flaiano, Tullio Pinelli, Brunello Rondi. Música: Nino Rota. Fotografia: Gianni Di Venanzo. Edição: Leo Catozzo. Design de produção, direção de arte e figurino: Piero Gherardi. Decoração: Vito Anzalone. Elenco: Marcello Mastroianni, Claudia Cardinale, Anouk Aimée, Sandra Milo, Rossella Falk e outros.
― 1963, Itália; França. P&B, 2h 18min. Em italiano, francês, inglês, alemão, com legendas em português.

Guido Anselmi, um famoso cineasta, encontra-se em crise de criatividade. Ao perceber um certo esgotamento no seu estilo de vida, resolve se internar em uma estação-de-águas para buscar inspiração.

É considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Nosso Pequeno Festival de Inverno

 

No mês de julho o Cine-Fórum apresenta
quatro grandes filmes de
quatro grandes diretores.

(Federico Fellini, 1963)
A nau dos insensatos (Stanley Kramer, 1965)
Underground (Emir Kusturica, 1995)
Tão longe, tão perto (Wim Wenders, 1993)

Todas as terças-feiras,
às 19h30, entrada franca.

As bostonianas

27 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

The Bostonians (As bostonianas). Direção: James Ivory. Produção: Ismail Merchant. Roteiro: Ruth Prawer Jhabvala, baseado no romance The Bostonians (1886), de Henry James (1843–1916). Música: Richard Robbins. Fotografia: Walter Lassally. Edição: Mark Potter Jr., Katherine Wenning. Elenco: Vanessa Redgrave, Christopher Reeve, Jessica Tandy, Madeleine Potter, Nancy Marchand, Wesley Addy.
― 1984, Reino Unido, Estados Unidos. 2h 2min. Em inglês, com legendas em português.

Boatos, 1875. Uma das líderes do movimento feminista se deixa fascinar por Verena, uma jovem e talentosa oradora, que por sua vez se envolve com um advogado de pensamento conservador quanto ao papel da mulher na sociedade. A jovem fica indecisa entre a causa feminista e o casamento e a vida doméstica convencional.

 

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

A sedutora Madame Bovary

20 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

Madame Bovary (A sedutora Madame Bovary). Direção: Vincente Minnelli. Produção: Pandro S. Berman. Roteiro: Robert Ardrey, baseado no romance Madame Bovary (1857), de Gustave Flaubert  (1821–1880). Música: Miklós Rózsa. Fotografia: Robert H. Planck. Edição: Ferris Webster. Direção de arte: Cedric Gibbons e Jack Martin Smith. Elenco: Jennifer Jones, James Mason, Van Heflin, Louis Jourdan, Alf Kjellin e outros.
― 1949, Estados Unidos.  P&B, 1h 54min. Em inglês, com legendas em português.

Emma – sonhadora e de alma burguesa – casa-se com Charles, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento da filha dá alegria ao indissolúvel casamento ao qual a protagonista se sente presa. Emma, cada vez mais angustiada e frustrada, busca no adultério uma forma de encontrar a liberdade e a felicidade.
Madame Bovary, de Gustave Flaubert, é uma das obras-primas do realismo/naturalismo francês. Sua publicação produziu tamanho impacto na sociedade que seu autor foi levado aos tribunais, acusado de ultraje à moral pública e religiosa e aos bons costumes. Em sua defesa, Flaubert dirá a célebre frase “Emma Bovary c’est moi!” (Emma Bovary sou eu). O filme inicia com a defesa de Flaubert no tribunal. Ao fazer sua argumentação, o autor narra aos espectadores o romance.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários