Cinema, aspirinas e urubus

Cinema, aspirinas e urubus (Marcelo Gomes, 2005)

Cinema, aspirinas e urubus. Direção: Marcelo Gomes. Produção: Maria Ionescu. Roteiro: Karim Aïnouz, Paulo Caldas, Marcelo Gomes, João Miguel. Música: Tomaz Alves Souza. Fotografia: Mauro Pinheiro Jr. Edição: Karen Harley. Design de produção: Marcos Pedroso. Elenco: João Miguel, Peter Ketnath, Madalena Accioly, Jeane Alves, Veronica Cavalcanti e outros. ― 2005, Brasil. 1h 39min. Em português, alemão. Classificação indicativa: 14 anos.

Em 1942, no meio do sertão nordestino, dois homens se encontram: Johann, um alemão que fugiu da Guerra, e Ranulpho, um brasileiro que quer escapar da seca que assola a região. Viajando de povoado em povoado, eles exibem filmes para pessoas que já haviam conhecido o cinema, para vender um remédio ‘milagroso’. Continuando a cruzar as estradas empoeiradas de um sertão arcaico, eles buscam novos horizontes em suas vidas. Nessa jornada, os dois aprendem a respeitar as diferenças e surge entre eles uma amizade incomum, mas que marcará suas vidas para sempre. .

Ficha técnica: [Cinemateca Brasileira] [IMDB]

Comentários e críticas

Samba

Samba (Olivier Nakache e Eric Toledano, 2014)

17 DE OUTUBRO
terça-feira − 19h30

Samba. Direção: Olivier Nakache, Eric Toledano. Produção: Nicolas Duval Adassovsky, Laurent Zeitoun, Yann Zenou, Omar Sy. Roteiro: Eric Toledano, Olivier Nakache, Delphine Coulin, Muriel Coulin, a partir do romance Samba pour la France (2011), de Delphine Coulin. Música: Ludovico Einaudi. Fotografia: Stéphane Fontaine. Edição: Dorian Rigal-Ansous. Elenco: Omar Sy, Charlotte Gainsbourg, Tahar Rahim, Izïa Higelin, Issaka Sawadogo e outros.
― 2014, França. Gaumont. 1h 58min. Em francês, árabe, inglês, português, russo, sérvio, com legendas em português.

Samba é um imigrante do Senegal que vive há 10 anos na França, trabalha em um restaurante como lavador de pratos, mas tem problemas com a imigração e acaba por ser preso. Alice é uma executiva que sofreu uma crise de burnout devido ao trabalho excessivo e, agora, trabalha como voluntária em uma ONG que ajuda imigrantes em situação irregular como parte de seu tratamento. Duas vidas com poucas perspectivas que se cruzam e iniciam um relacionamento insólito.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

 

 Críticas e comentários

 

 

O ano em que meus pais saíram de férias

O ano em que meus pais saíram de férias (Cao Hamburger. 2006)

No dia 12 de agosto, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (jesuítas) apresenta o filme O ano em que meus pais saíram de férias, dirigido pelo brasileiro Cao Hamburger.

Sinopse

Em 1970, o Brasil e o mundo parecem estar de cabeça para baixo, mas a maior preocupação na vida de Mauro, um garoto de 12 anos, tem pouco a ver com a ditadura militar que impera no País, seu maior sonho é ver o Brasil tricampeão mundial de futebol. De repente, ele é separado dos pais e obrigado a se adaptar a uma diferente e divertida comunidade ― o Bom Retiro, bairro de São Paulo, que abriga judeus, italianos, entre outras culturas. Uma história emocionante de superação e solidariedade.

O ano em que meus pais saíram de férias ― Cao Hamburger (2006) Brasil. Elenco: Michel Joelsas, Germano Haiut, Daniela Piepszyk, Caio Blat, Paulo Autran. (104 min). Distribuidor: Buena Vista International. Idioma: Português, yiddish, hebraico.

ENTRADA FRANCA
Classificação indicativa

Não recomendado para menores de 10 anos.

 Comentários

Singularidades de uma rapariga loura

Singularidades de uma rapariga loura (2009)

No dia 20 de maio, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (jesuítas) apresenta o filme Singularidades de uma rapariga loura (2009), dirigido pelo cineasta português Manoel De Oliveira (1908-).

A apresentação de Singularidades de uma rapariga loura insere-se no Pequeno Festival Nossa Língua Portuguesa.

Sinopse

Numa viagem de trem para o Algarve, Portugal, Macário conta as atribulações da sua vida amorosa a uma desconhecida senhora. Relata a sua paixão pela jovem loura que vivia na casa do outro lado da rua, Luísa Vilaça. Assim que a conheceu, quis de imediato casar com ela. O tio, para quem trabalhava, discordava da relação, e por isso despediu-o e expulsou-o de casa. Macário consegue enriquecer em Cabo-Verde e quando já tem a aprovação do tio para finalmente casar com a sua amada, descobre então a “singularidade” do carácter da noiva.

Singularidades de uma rapariga loura. Portugal, Espanha, França: 2009, 64 min, em português. Direção: Manoel De Oliveira. Roteiro: Manoel de Oliveira, baseado no conto homônimo de Eça de Queirós. Elenco: Ricardo Trêpa, Catarina Wallenstein, Diogo Dória.

Entrada franca.

Livre para todos os públicos

Leituras indicadas