A noite americana

A noite americana (François Truffaut, 1973)

6 DE SETEMBRO
quarta-feira − 19h30

La nuit américaine (A noite americana). Direção: François Truffaut. Produção: Marcel Berbert. Roteiro: François Truffaut, Jean-Louis Richard, Suzanne Schiffman. Música: Georges Delerue. Fotografia: Pierre-William Glenn. Edição: Martine Barraqué, Yann Dedet. Design de produção, direção de arte: Damien Lanfranchi. Figurino: Monique Dury. Elenco: Jacqueline Bisset, Valentina Cortese, Dani, Alexandra Stewart, Jean-Pierre Aumont, Jean Champion, Jean-Pierre Léaud, François Truffaut, Nike Arrighi e outros.
― 1973, França, Itália. 1h 55min. Em francês e inglês, com legendas em português.

Na França começam as filmagens do longa Je vous présente Pamela, que conta a história de uma jovem inglesa que troca o marido francês pelo sogro. Ferrand (François Truffaut) é o diretor, e tem que lidar com os mais diversos problemas que aparecem nos sets de filmagens, desde a depressão de um ator até o inusitado gato que não consegue atuar. Uma encantadora homenagem à arte de fazer cinema.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

 A Noite Americana é um dos mais humanos e
interessantes filmes já realizados sobre o cinema.

Luiz Santiago

Críticas e comentários

Anúncios

Barrabás

Barrabás (Richard Fleischer, 1961)
22 MARÇO
terça-feira − 19h30

Barabbas (Barrabás). Direção: Richard Fleischer. Produção: Dino De Laurentiis. Roteiro: Christopher Fry, baseado no romance “Barabbas”, de Pär Lagerkvist (1891–1974). Elenco: Anthony Quinn, Silvana Mangano, Arthur Kennedy, Katy Jurado, Harry Andrews e outros.
― Itália, Estados Unidos, 1961. Cor, 137 min. Distribuição: Columbia TriStar. Em inglês, com legendas em português.

História fictícia sobre Barrabás, baseada na passagem do Novo Testamento, quando Poncio Pilatos pergunta à população de Jerusalém quem deveria ganhar liberdade, Jesus de Nazaré ou Barrabás, um ladrão e assassino que acaba sendo libertado pela voz do povo. Apesar de sua saída da prisão, o evento o persegue pelo resto da vida. Depois de ver a sua ex-mulher, Raquel, ser apedrejada até a morte por sua crença em Jesus, Barrabás retorna à vida de ladrão. Preso de novo, ele é levado para as minas de enxofre e, em seguida, para uma escola para gladiadores, onde testemunha outra amiga entregando sua vida em nome de Jesus. E somente próximo de seu fim, quando Barrabás se vê a caminho da crucificação, é que ele descobre a sua fé. Baseado no romance “Barabbas” (1950), de Pär Lagerkvist.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos