Bem-vindo

Welcome (Philippe Lioret, 2009)

No dia 6 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Bem-vindo, dirigido pelo cineasta francês Philippe Lioret.

Bem-vindo, do diretor Philippe Lioret, é um filme maior.
É um dos mais belos de todos os tempos sobre esse tema importantíssimo, a imigração.

Sérgio Vaz

Sinopse

Bilal, 17 anos, deixou o Iraque depois de a sua namorada ter emigrado para o Reino Unido. Vive uma viagem aventureira pela Europa só para a voltar a ver. Mas no Norte de França a caminhada chegou abruptamente ao fim. Bilal e Mina estão separados pelo Canal da Mancha – o mais movimentado do mundo. Terá Bilal a coragem para o atravessar? É então que começam os treinos na piscina local. Lá conhece Simon, o nadador-salvador, que lhe ensina o nado crawl depois de o jovem lhe confidenciar o seu plano.

Welcome (Bem-vindo). França: 2009. Direção: Philippe Lioret. Roteiro: Philippe Lioret, Emmanuel Courcol, Olivier Adam. Elenco: Vincent Lindon, Firat Ayverdi, Audrey Dana, Derya Ayverdi, Thierry Godard e outros. Música: Nicola Piovani. Fotografia: Laurent Dailland. Edição: Andrea Sedlácková. 110 min, em francês, inglês, turco, curdo, com legenda em português.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

Os sinos de Santa Maria

 Os Sinos de Santa Maria (1945)

No dia 8 de setembro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Os sinos de Santa Maria, dirigido pelo cineasta estadunidense Leo McCarey (1896–1969).

Este filme integra o Pequeno Festival Ingrid Bergman (1915–1982), na comemoração do centenário de seu nascimento.

#IngridBergman100

Sinopse

Padre Chuck O’Malley é enviado ao Colégio Santa Maria, dirigido por freiras, a fim de substituir o antigo pároco e ajudar a recuperar a instituição que se acha quase falida. O filme narra o relacionamento entre a Madre Mary Benedict, a superiora das religiosas do colégio, e o novo pároco, principalmente no que tange às diferenças de opiniões em relação à melhor forma de educar seus alunos.

The Bells of St. Mary’s (Os sinos de Santa Maria). Estados Unidos: 1945. Direção: Leo Mccarey. Roteiro: Dudley Nichols, Leo McCarey. Elenco: Bing Crosby, Ingrid Bergman, Henry Travers, William Gargan, Ruth Donnelly e outros. Música: Robert Emmett; Dolan. Diretor de fotografia: George Barnes. Edição: Harry Marker. Direção de arte: William Flannery; Albert S. D’Agostino. Figurino: Edith Head. 126 min, em inglês, com legendas em português.

Entrada franca

Livre para todos os públicos

Comentários e críticas

A guerra dos botões (2011)

La guerre des boutons (Yann Samuell, 2011)

No dia 25 de agosto, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme A guerra dos botões (2011), dirigido pelo cineasta francês Yann Samuell.

Sinopse

Como em todos os anos no retorno às aulas, os estudantes de Longeverne, liderados por Lebrac, declaram guerra aos de Velrans. Numa dessas batalhas, Lebrac tem uma ideia – arrancar todos os botões e confiscar os cintos dos presos para que sejam castigados pelos próprios pais. Segundo Luiz Zanin, uma metáfora antibélica sempre atual.

La guerre des boutons (A guerra dos botões). França: 2011. Direção: Yann Samuell. Roteiro: Yann Samuell, baseado no romance de Louis Pergaud (1882-1915). Elenco: Eric Elmosnino, Mathilde Seigner, Fred Testot, Alain Chabat, Vincent Bres e outros. Música: Klaus Badelt. Fotografia: Julien Hirsch. Edição: Sylvie Landra. 109 min, em francês, com legendas em português.

Entrada franca

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Comentários e críticas

Filmes relacionados

  • War of the Buttons (A guerra dos botões). Reino Unido, França, Japão: 1994, 94 min, em inglês. Direção: John Roberts. Roteiro: Colin Welland, baseado no romance de Louis Pergaud. Elenco: Gregg Fitzgerald, Gerard Kearney, Darragh Naughton.
  • La guerre des boutons (A guerra dos botões). França: 1962. Direção: Yves Robert. Roteiro: François Boyer, baseado no romance de Louis Pergaud. Elenco: Jacques Dufilho, Yvette Etiévant, Michel Galabru. 90 min, P&B, em francês.

Whiplash

Whiplash: em busca da perfeição (Damien Chazelle, 2014)

No dia 11 de agosto, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Whiplash: em busca da perfeição, dirigido pelo cineasta estadunidense Damien Chazelle.

Sinopse

Andrew Neiman é um estudante baterista de jazz do melhor conservatório dos Estados Unidos. Pretende ser um dos grandes músicos, tendo como ídolo Buddy Rich. Terence Fletcher é professor do conservatório. É extremamente exigente com seus alunos e está à procura de músicos para a banda da escola. Recruta Andrew, que ainda é baterista reserva em sua turma. O método exigente de Fletcher afeta decisivamente a performance de Andrew.

Whiplash (Whiplash: em busca da perfeição). Estados Unidos: 2014.  Direção e roteiro: Damien Chazelle. Elenco: Miles Teller, J.K. Simmons, Paul Reiser, Melissa Benoist, Austin Stowell e outros. Música: Justin Hurwitz; direção de arte: Hunter Brown; direção de fotografia: Sharone Meir; figurino: Lisa Norcia; edição: Tom Cross. 107 min, em inglês, com legendas em português.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Entrada franca

Comentários e críticas

Kes

Kes (Ken Loach, 1969)

No dia 4 de agosto, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Kes, dirigido pelo cineasta britânico Ken Loach.

Vale a pena conhecer a obra de Ken Loach. E Kes é o melhor ponto de partida.
André Barcinski

Sinopse

Kes se passa no norte da Inglaterra. Billy Casper tem 15 anos e nenhuma esperança: o pai abandonou a família, a mãe o considera um estorvo, o irmão trabalha nas insalubres minas de carvão da região, a escola é violenta. Até que Billy encontra um filhote de falcão, que denomina de Kes, e começa a domesticá-lo.

Kes. Reino Unido: 1969. Direção: Ken Loach. Roteiro: Barry Hines, Ken Loach, Tony Garnett, baseado no livro A kestrel for a knave, de Barry Hines. Elenco: David Bradley, Agnes Drumgoon, Bernard Atha, Beryl Carroll, Bill Dean, Bob Bowes e outros. 110 min, em inglês, com legendas em português.

Entrada franca

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Comentários e críticas

Como era verde o meu vale

Como era verde o meu vale (1941)

No dia 19 de maio, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Como era verde o meu vale, dirigido pelo cineasta estadunidense John Ford (1894 – 1973). 

Sinopse

Aos 60 anos, Huw Morgan relembra sua vida quando garoto em uma pequena cidade mineradora no sul do País de Gales, no início do século XX. Suas reminiscências revelam a desintegração de sua família, enquanto capta os sentimentos e problemas daquele tempo. Todos os homens da família são trabalhadores nas minas de carvão. Com a precariedade do vínculo empregatício e os baixos salários, os mineradores formam um sindicato e entram em greve.

How Green Was My Valley (Como era verde o meu vale). Estados Unidos: 1941, 118 min, P&B, em inglês e galês, com legendas em português. Direção: John Ford. Roteiro: Philip Dunne (1908 – 1992), baseado no romance homônimo de Richard Llewellyn (1906 – 1983). Elenco: Walter Pidgeon, Maureen O’Hara, Anna Lee, Donald Crisp.

Entrada franca

Livre para todos os públicos

Ao mestre com carinho

ao-mestre-com-carinho

Pequeno Festival
SIDNEY POITIER

No dia 11 de novembro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Ao mestre com carinho, dirigido pelo cineasta britânico James Clavell (1921–1994).

Sinopse

Mark Thackeray é professor temporário numa escola do bairro operário de East End, em Londres, para alunos majoritariamente brancos. Thackeray se depara então com adolescentes indisciplinados e agressivos. Desenvolve-se uma relação de mútuo respeito e camaradagem, numa libertadora relação de ensino-aprendizagem.

To Sir With Love (Ao mestre com carinho). Reino Unido: 1967, 105 min, em inglês, com legendas em português. Direção: James Clavell. Produção: James Clavell, John R. Sloan. Roteiro: James Clavell, baseado no romance de E.R. Braithwaite. Música: Ron Grainer. Elenco: Sidney Poitier, Judy Geeson, Christian Roberts.

Entrada franca

Livre para todos os públicos