Divina criatura

 

Divina criatura (Giuseppe Patroni Griffi, 1975)

14 mar.
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Divina creatura (Divina criatura). Direção: Giuseppe Patroni Griffi. Roteiro: Giuseppe Patroni Griffi, Alfio Valdarnini, baseado no romance La divina fanciulla (1920), de Luciano Zuccoli (1868-1929). Música: Cesare A. Bixio, Ennio Morricone. Fotografia: Giuseppe Rotunno. Edição: Roberto Perpignani. Direção de arte: Fiorenzo Senese. Figurino: Gabriella Pescucci. Elenco: Laura Antonelli, Terence Stamp, Marcello Mastroianni, Michele Placido, Duilio Del Prete e outros. ― 1975, Itália. 1h 55min. Em italiano, com legendas em português.

Na alta sociedade da Roma dos anos 20, o duque Daniele di Bagnasco é um dos homens mais proeminentes e um conquistador dos corações femininos. Quando se interessa pela burguesa Manuela Roderighi, o que deveria ser apenas mais uma aventura de curta duração, transforma-se numa ardente paixão, severamente testada quando descobre que a mulher é frequentadora de uma famosa casa de encontros.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

 

 

 

A primeira noite de um homem

01 DE AGOSTO
terça-feira − 19h30

The Graduate (A primeira noite de um homem). Direção: Mike Nichols. Produção: Lawrence Turman. Roteiro: Calder Willingham, Buck Henry, baseado no romance The Graduate (1963), de Charles Webb. Fotografia: Robert Surtees. Edição: Sam O’Steen. Design de produção: Richard Sylbert. Música: Simon & Garfunkel. Elenco: Anne Bancroft, Dustin Hoffman, Katharine Ross, William Daniels, Murray Hamilton e outros.
― 1967, Estados Unidos. 1h 46min. Em inglês, com legendas em português.

Recém-formado na faculdade e sem saber o que fazer da vida, um jovem envolve-se com a amiga madura e casada de seus pais. A coisa se complica quando ele se apaixona pela filha dela.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Trilha sonora no Spotify

A sedutora Madame Bovary

20 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

Madame Bovary (A sedutora Madame Bovary). Direção: Vincente Minnelli. Produção: Pandro S. Berman. Roteiro: Robert Ardrey, baseado no romance Madame Bovary (1857), de Gustave Flaubert  (1821–1880). Música: Miklós Rózsa. Fotografia: Robert H. Planck. Edição: Ferris Webster. Direção de arte: Cedric Gibbons e Jack Martin Smith. Elenco: Jennifer Jones, James Mason, Van Heflin, Louis Jourdan, Alf Kjellin e outros.
― 1949, Estados Unidos.  P&B, 1h 54min. Em inglês, com legendas em português.

Emma – sonhadora e de alma burguesa – casa-se com Charles, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento da filha dá alegria ao indissolúvel casamento ao qual a protagonista se sente presa. Emma, cada vez mais angustiada e frustrada, busca no adultério uma forma de encontrar a liberdade e a felicidade.
Madame Bovary, de Gustave Flaubert, é uma das obras-primas do realismo/naturalismo francês. Sua publicação produziu tamanho impacto na sociedade que seu autor foi levado aos tribunais, acusado de ultraje à moral pública e religiosa e aos bons costumes. Em sua defesa, Flaubert dirá a célebre frase “Emma Bovary c’est moi!” (Emma Bovary sou eu). O filme inicia com a defesa de Flaubert no tribunal. Ao fazer sua argumentação, o autor narra aos espectadores o romance.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Amar, beber e cantar

Amar, beber e cantar (Alain Resnais, 2014)

29 DE NOVEMBRO
terça-feira − 19h30

Aimer, boire et chanter (Amar, beber e cantar). Direção: Alain Resnais (1922–2014). Produção: Jean-Louis Livi. Roteiro: Laurent Herbiet, Alain Resnais, Jean-Marie Besset, baseado na peça Life of Riley, de Alan Ayckbourn. Música: Mark Snow. Fotografia: Dominique Bouilleret. Edição: Hervé de Luze. Elenco: Sabine Azéma, Sandrine Kiberlain, Caroline Silhol, André Dussollier, Hippolyte Girardot e outros.
― França, 2014. 1h 48min. Em francês, com legendas em português.

Em meio aos ensaios de uma nova peça de teatro amador, Colin e Kathryn recebem a trágica notícia que seu amigo George está fatalmente doente e tem apenas alguns meses de vida. O último filme do diretor Alains Resnais.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Críticas e comentários