A hora do lobo

9 maio
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Anteriormente programado para dia 2 de maio,
foi transferido para 9 de maio, por questões técnicas.

Vargtimmen (A hora do lobo). Direção e roteiro: Ingmar Bergman. Produção: Lars-Owe Carlberg. Música: Lars Johan Werle. Fotografia: Sven Nykvist. Edição: Ulla Ryghe. Elenco: Max von Sydow, Liv Ullmann, Gertrud Fridh, Georg Rydeberg, Erland Josephson e outros.
― 1968, Suécia. P&B, 1h 30min. Em sueco, norueguês, com legendas em português.

Um pintor e sua esposa vão morar em uma ilha afastada e conhecem um misterioso grupo de pessoas que passam a trazer angústias ainda maiores à vida do casal, que já estava atormentado pelos pesadelos do pintor e por conflitos psicológicos. Durante a hora do lobo, entre a meia-noite e a aurora, ele conta para sua esposa suas memórias mais dolorosas, e começa a questionar a própria lucidez.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Divina criatura

 

Divina criatura (Giuseppe Patroni Griffi, 1975)

14 mar.
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Divina creatura (Divina criatura). Direção: Giuseppe Patroni Griffi. Roteiro: Giuseppe Patroni Griffi, Alfio Valdarnini, baseado no romance La divina fanciulla (1920), de Luciano Zuccoli (1868-1929). Música: Cesare A. Bixio, Ennio Morricone. Fotografia: Giuseppe Rotunno. Edição: Roberto Perpignani. Direção de arte: Fiorenzo Senese. Figurino: Gabriella Pescucci. Elenco: Laura Antonelli, Terence Stamp, Marcello Mastroianni, Michele Placido, Duilio Del Prete e outros. ― 1975, Itália. 1h 55min. Em italiano, com legendas em português.

Na alta sociedade da Roma dos anos 20, o duque Daniele di Bagnasco é um dos homens mais proeminentes e um conquistador dos corações femininos. Quando se interessa pela burguesa Manuela Roderighi, o que deveria ser apenas mais uma aventura de curta duração, transforma-se numa ardente paixão, severamente testada quando descobre que a mulher é frequentadora de uma famosa casa de encontros.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

 

 

 

A sedutora Madame Bovary

20 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

Madame Bovary (A sedutora Madame Bovary). Direção: Vincente Minnelli. Produção: Pandro S. Berman. Roteiro: Robert Ardrey, baseado no romance Madame Bovary (1857), de Gustave Flaubert  (1821–1880). Música: Miklós Rózsa. Fotografia: Robert H. Planck. Edição: Ferris Webster. Direção de arte: Cedric Gibbons e Jack Martin Smith. Elenco: Jennifer Jones, James Mason, Van Heflin, Louis Jourdan, Alf Kjellin e outros.
― 1949, Estados Unidos.  P&B, 1h 54min. Em inglês, com legendas em português.

Emma – sonhadora e de alma burguesa – casa-se com Charles, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento da filha dá alegria ao indissolúvel casamento ao qual a protagonista se sente presa. Emma, cada vez mais angustiada e frustrada, busca no adultério uma forma de encontrar a liberdade e a felicidade.
Madame Bovary, de Gustave Flaubert, é uma das obras-primas do realismo/naturalismo francês. Sua publicação produziu tamanho impacto na sociedade que seu autor foi levado aos tribunais, acusado de ultraje à moral pública e religiosa e aos bons costumes. Em sua defesa, Flaubert dirá a célebre frase “Emma Bovary c’est moi!” (Emma Bovary sou eu). O filme inicia com a defesa de Flaubert no tribunal. Ao fazer sua argumentação, o autor narra aos espectadores o romance.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

O mundo de Apu

25 DE ABRIL
terça-feira − 19h30

Apur Sansar (O mundo de Apu). Direção: Satyajit Ray. Roteiro: Satyajit Ray, baseado no romance autobiográficos Aparajito, de Bibhutibhushan Bandyopadhyay (1894 – 1950). Música: Ravi Shankar. Fotografia: Subrata Mitra. Edição: Dulal Dutta. Direção de arte: Bansi Chandragupta. Elenco: Soumitra Chatterjee, Sharmila Tagore, Alok Chakravarty, Swapan Mukherjee.
― Índia, 1959. P&B, 1h 45min. Em Bengali, com legendas em português.

Terceiro e último filme da Trilogia Apu. Apu já é adulto, vive pobremente e sonha ser escritor. Circunstâncias particulares levam-no a casar-se, mas a mulher morre de parto. Apu confia o filho aos sogros, joga fora o manuscrito do seu livro e sai para o mundo. Alguns anos depois, reencontra-se com o filho, ainda criança.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Críticas e comentários