A hora da estrela

A hora da estrela (filme)

No dia 27 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme A hora da estrela, dirigido pela cineasta brasileira Suzana Amaral.

A história de uma moça, tão pobre que só comia cachorro quente.
Mas a história não é isso, é sobre uma inocência pisada, de uma miséria anônima.

Clarice Lispector

Sinopse

Nordestina, analfabeta funcional, perdida na paisagem de concreto paulistana. A quase invisível Macabea sobrevive mal remunerada, subnutrida e maltratada. Crônica trágica de uma brasileira semelhante a milhões de outras. Quando sonha, perde a vida.

A hora da estrela. Brasil: 1985. Direção: Suzana Amaral. Produção: Assunção Hernandes. Roteiro: Suzana Amaral e Alfredo Oroz, baseado no romance homônimo de Clarice Lispector (1925-1977). Elenco: Marcélia Cartaxo, José Dumont, Tamara Taxman, Fernanda Montenegro, Manoel Luiz Aranha e outros. Música: Marcus Vinícius. Fotografia: Edgar Moura. Edição: Idê Lacreta. 98 min, em português.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

A gaiola dourada

A Gaiola dourada (Ruben Alves, 2013)

No dia 20 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme A gaiola dourada, dirigido pelo cineasta luso-francês Ruben Alves.

Sinopse

Em Paris, Maria e José Ribeiro vivem há mais de 30 anos no primeiro piso em alojamentos modestos de um prédio elegante. O casal de imigrantes portugueses é uma unanimidade na vizinhança. Maria, uma excelente zeladora, e José, um mestre de obras fora de série. Com o passar do tempo, tornaram-se indispensáveis na vida cotidiana de todos em seu entorno. Eles são tão queridos, dedicados e discretos, e estão tão bem adaptados que, no dia em que o sonho deles de voltar para Portugal em melhores condições se torna realidade, ninguém quer deixar os Ribeiros irem embora. Até onde serão capazes de ir sua família, seus vizinhos e seus patrões para mantê-los ali? E, depois de tudo que passaram, será que Maria e José querem mesmo deixar a França e abandonar sua preciosa gaiola dourada?

La cage dorée (A gaiola dourada). França: 2013. Direção: Ruben Alves. Roteiro: Ruben Alves, Luc-Olivier Veuve, Jean-André Yerles, Hugo Gélin. Elenco: Rita Blanco, Joaquim de Almeida, Roland Giraud, Chantal Lauby, Barbara Cabrita e outros. Fotografia: André Szankowski. Edição: Nassim Gordji Tehrani.
90 min, em francês, português, inglês, com legenda em português.

Não recomendado para menores de 10 anos.

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

A lenda do santo beberrão

La leggenda del santo bevitore

No dia 13 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme A lenda do santo beberrão, dirigido pelo cineasta italiano Ermanno Olmi.

Sinopse

Num período de poucos dias, em Paris dos anos 1930, a vida de Andreas, um andarilho, parece ser tomada, de súbito, por uma série de eventos inexplicáveis. Tudo começa quando um cavalheiro tromba com o nosso peculiar anti-herói. Sem motivos aparentes, o distinto senhor oferece ao pobre homem uma soma em dinheiro. Apesar de viver na miséria, Andreas, o andarilho, nutre valores inquebrantáveis de idoneidade e retidão, e só aceita o dinheiro com a condição de devolvê-lo. O cavalheiro propõe que ele devolva, quando puder, aquela soma a Santa Teresinha, numa dada igreja que ele indica. Mas aquele dinheiro que lhe cai às mãos é rapidamente gasto. Andreas, a partir do contato com outros inusitados personagens que cruzam seu caminho, parece fadado a uma espiral alucinante de sempre protelar o acerto de sua “dívida com a santa”. Vivendo às margens do rio Sena, que, naquele entreguerras, se mostravam uma verdadeira Babel de imigrantes desorientados e andantes sem destino, Andreas não deixa de ser um alter ego de Joseph Roth, autor do romance que inspira o filme, que preferia peregrinar a manter um lar definitivo, e que teria a bebida como acompanhante até o fim de seus dias.

La leggenda del santo bevitore (A lenda do santo beberrão). Itália, França: 1988. Direção: Ermanno Olmi. Roteiro: Tullio Kezich, Ermanno Olmi, baseado no romance póstumo Die Legende vom heiligen Trinker (1939) de Joseph Roth (1894–1939). Elenco: Rutger Hauer, Anthony Quayle, Sandrine Dumas, Dominique Pinon, Sophie Segalen e outros. Música: José Padilla. Fotografia: Dante Spinotti. Edição: Paolo Cottignola, Ermanno Olmi, Fabio Olmi. 127 min, em inglês, francês, com legenda em português.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

O cinema de Ermanno Olmi — Carlos Alberto Mattos (Críticos)

Bem-vindo

Welcome (Philippe Lioret, 2009)

No dia 6 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Bem-vindo, dirigido pelo cineasta francês Philippe Lioret.

Bem-vindo, do diretor Philippe Lioret, é um filme maior.
É um dos mais belos de todos os tempos sobre esse tema importantíssimo, a imigração.

Sérgio Vaz

Sinopse

Bilal, 17 anos, deixou o Iraque depois de a sua namorada ter emigrado para o Reino Unido. Vive uma viagem aventureira pela Europa só para a voltar a ver. Mas no Norte de França a caminhada chegou abruptamente ao fim. Bilal e Mina estão separados pelo Canal da Mancha – o mais movimentado do mundo. Terá Bilal a coragem para o atravessar? É então que começam os treinos na piscina local. Lá conhece Simon, o nadador-salvador, que lhe ensina o nado crawl depois de o jovem lhe confidenciar o seu plano.

Welcome (Bem-vindo). França: 2009. Direção: Philippe Lioret. Roteiro: Philippe Lioret, Emmanuel Courcol, Olivier Adam. Elenco: Vincent Lindon, Firat Ayverdi, Audrey Dana, Derya Ayverdi, Thierry Godard e outros. Música: Nicola Piovani. Fotografia: Laurent Dailland. Edição: Andrea Sedlácková. 110 min, em francês, inglês, turco, curdo, com legenda em português.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio