Nossa irmã mais nova

Nossa irmã mais nova (Hirokazu Koreeda, 2015)

21 fev.
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Umimachi Diary (Nossa irmã mais nova). Direção: Hirokazu Koreeda. Produção: Takashi Ishihara, Kaoru Matsuzaki, Hijiri Taguchi. Roteiro: Hirokazu Koreeda, inspirado na série de manga josei “Umimachi Diary”, de Akimi Yoshida. Música: Yôko Kanno. Fotografia: Mikiya Takimoto. Edição: Hirokazu Koreeda. Design de produção: Keiko Mitsumatsu. Elenco: Haruka Ayase, Masami Nagasawa, Kaho, Suzu Hirose, Ryo Kase e outros. ― 2015, Japão. 2h 8min. Em japonês, com legendas em português.

Três irmãs vivem na casa da falecida avó, abandonadas pelos pais. Um dia ficam sabendo da morte de seu pai e comparecem ao funeral, onde conhecem a filha que ele teve em outro casamento, Suzu, de apenas 13 anos. Percebendo que ela, assim como o trio, ficaria abandonada, decidem levar a menina para morar com elas. A partir de então, as quatro irmãs constroem um convívio rico e fecundo.

Livre para todos os públicos

Críticas e comentários

 

 

Pais e filhos

Pais e filhos (Hirokazu Koreeda, 2013)
4 ABRIL
terça-feira − 19h30

そして父になる [Soshite chichi ni naru] (Pais e filhos). Direção: Hirokazu Koreeda. Produção: Kaoru Matsuzaki, Hijiri Taguchi. Roteiro: Hirokazu Koreeda. Elenco: Masaharu Fukuyama, Machiko Ono, Yôko Maki, Rirî Furankî, Jun Fubuki e outros.
― Japão, 2013. Cor, 121 min. Em japonês, com legendas em português. Classificação indicativa: Livre.

Um arquiteto obcecado com o sucesso profissional, busca formar com a jovem esposa e o filho de 6 anos uma família ideal. A descoberta de uma troca ocorrida na maternidade, altera a rotina da família. Quando nasceu, seu filho foi trocado por engano com a criança de outra família. Ao descobrir que está criando o filho de outro homem há seis anos, toda a sua felicidade desmorona e ele tem de lidar com uma difícil escolha.

Livre para todos os públicos

Críticas e comentários

O que eu mais desejo

O que eu mais desejo (Hirokazu Koreeda, 2011)
28 DE MARÇO
terça-feira − 19h30

奇跡 [Kiseki] (O que eu mais desejo). Direção e roteiro: Hirokazu Koreeda. Elenco: Hiroshi Abe, Masami Nagasawa, Joe Odagiri, Kirin Kiki, Kyara Uchida e outros.
― Japão, 2011. Cor, 2h 8min. Em japonês, com legendas em português.

No Japão, na ilha de Kyushu, dois irmãos vivem separados após o divórcio de seus pais. O mais velho, de 12 anos mora com sua mãe no sul da ilha e seu irmão mais novo, com o pai, no norte da ilha. Embora tenham muitos desejos, o que eles realmente querem é voltar à família que tinham, estar juntos novamente. E vão usar de diversas artimanhas para consegui-lo.

Livre para todos os públicos

 

 Críticas e comentários

Trono manchado de sangue

Trono manchado de sangue (Akira Kurosawa, 1957)
5 DE ABRIL
terça-feira − 19h30

Trono manchado de sangue [蜘蛛巣城 — Kumonosu-jô]. Direção: Akira Kurosawa. Produção: Akira Kurosawa, Sôjirô Motoki, Toho Company. Roteiro: Hideo Oguni, Shinobu Hashimoto, Ryûzô Kikushima, Akira Kurosawa, baseado na peça Macbeth, de William Shakespeare. Elenco: Toshirô Mifune, Minoru Chiaki, Isuzu Yamada, Akira Kubo, Hiroshi Tachikawa e outros.
― Japão, 1957. P&B, 110 min. Em japonês, com legendas em português.

A história do filme nos traz os acontecimentos em torno de Taketoki Washizu e Yoshiaki Miki, dois guerreiros que encontram uma bruxa/espírito numa floresta e recebem dela previsões para o futuro. Como as promessas são de nobreza de alto nível, os amigos zombam do que lhes é prometido. Mas Washizu compartilha o acontecimento com a esposa (que assume de maneira fantástica o papel da vilã Lady Macbeth, da peça original), a Senhora Asaji Washizu. Ela passa então a “envenenar” o esposo com ideias de que Miki iria conspirar, mais dia menos dia, contra seu amigo, e que então seria a ruína dos Washizu. Como forma de evitar esse futuro e para acelerar a sua subida ao trono e ao comando do Castelo da Teia de Aranha, Asaji convence Washizu a assassinar o Senhor do castelo. E então tem início a um rio de sangue que irá correr durante o filme inteiro. (Luiz Santiago. Plano Crítico)

#Shakespeare400

Este filme insere-se em nosso Pequeno Festival Shakespeare, em comemoração ao quarto centenário do falecimento de William Shakespeare (1564 – 1616).

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

 Críticas e comentários