A hora do lobo

9 maio
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Anteriormente programado para dia 2 de maio,
foi transferido para 9 de maio, por questões técnicas.

Vargtimmen (A hora do lobo). Direção e roteiro: Ingmar Bergman. Produção: Lars-Owe Carlberg. Música: Lars Johan Werle. Fotografia: Sven Nykvist. Edição: Ulla Ryghe. Elenco: Max von Sydow, Liv Ullmann, Gertrud Fridh, Georg Rydeberg, Erland Josephson e outros.
― 1968, Suécia. P&B, 1h 30min. Em sueco, norueguês, com legendas em português.

Um pintor e sua esposa vão morar em uma ilha afastada e conhecem um misterioso grupo de pessoas que passam a trazer angústias ainda maiores à vida do casal, que já estava atormentado pelos pesadelos do pintor e por conflitos psicológicos. Durante a hora do lobo, entre a meia-noite e a aurora, ele conta para sua esposa suas memórias mais dolorosas, e começa a questionar a própria lucidez.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Anúncios

Luta antimanicomial

Dia 18 de maio, no Brasil, celebra-se o Dia da Luta Antimanicomial.
Aderindo a essa causa, o Cine-Fórum apresenta em maio alguns filmes que podem contribuir com o debate sobre saúde mental.

Maio

  2 — Ciúme à italiana (Ettore Scola, 1970)
  9 — A hora do lobo (Ingmar Bergman, 1968) 50 anos
16 — Léolo (Jean-Claude Lauzon, 1992)
23 — As três máscaras de Eva (Nunnally Johnson, 1957)
30 — Desajustados (Dagur Kári, 2015)

Persona

18 abril
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Persona. Direção, produção e roteiro: Ingmar Bergman. Música: Lars Johan Werle. Fotografia: Sven Nykvist. Edição: Ulla Ryghe. Design de produção: Bibi Lindström. Elenco: Bibi Andersson, Liv Ullmann, Margaretha Krook, Gunnar Björnstrand. ― 1966, Suécia. P&B, 1h 25min. Em sueco, inglês, com legendas em português.

Uma famosa atriz de teatro sofre uma crise emocional e emudece. Para se recuperar, parte para uma casa de campo, sob os cuidados de uma enfermeira, que a admira e tenta compreender a razão de seu silêncio. Isoladas, as duas mulheres desenvolvem uma relação de forte intensidade emocional.

Este filme é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

  • Persona — Gilberto Silva Jr. (Contracampo)
  • Persona — Sérgio Vaz (50 Anos de Filmes)
  • Persona — Luiz Santiago (Plano Crítico)
  • Persona — Roger Ebert

 

Abril

No mês de abril, o Cine-Fórum apresenta quatro filmes nos quais a relação entre duas pessoas abre-se para possibilidades inesperadas.

Abril

  4 — A vida secreta das palavras (Isabel Coixet, 2005)
11 — A mulher e o atirador de facas (Patrice Leconte, 1999)
18 — Persona (Ingmar Bergman, 1966)
25 — O marido da cabeleireira (Patrice Leconte, 1990)

Sorrisos de uma noite de amor

Sorrisos de uma noite de amor (Ingmar Bergman, 1955)

1º DE NOVEMBRO
terça-feira − 19h30

Sommarnattens leende (Sorrisos de uma noite de amor). Direção: Ingmar Bergman. Produção: Allan Ekelund. Roteiro: Ingmar Bergman. Música: Erik Nordgren. Fotografia: Gunnar Fischer. Edição: Oscar Rosander. Elenco: Ulla Jacobsson, Eva Dahlbeck, Harriet Andersson, Bibi Andersson, Margit Carlqvist e outros.
― Suécia, 1955. 1h 48min. Em sueco, com legendas em português.

No final do século XIX, numa encantadora noite de verão, uma atriz é a anfitriã na casa de campo de sua mãe, quando um grupo de pessoas a visita. Entre eles está um advogado que já foi seu amante e ela pensa em reconquistar, mas ele está acompanhado de sua mulher. Seu atual amante também está com sua mulher, mas todos acabam envolvidos em situações amorosas, inclusive a empregada. Livremente inspirado em Sonho de uma noite de verão, de William Shakespeare.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Sonata de outono

Sonata de outono (Ingmar Bergman, 1978)

No dia 29 de setembro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Sonata de outono, dirigido pelo cineasta sueco Ingmar Bergman (1918–2007).

Este filme integra o Pequeno Festival Ingrid Bergman (1915–1982), na comemoração do centenário de seu nascimento.

#IngridBergman100

Sinopse

Charlotte, uma renomada pianista, vai até a casa de sua filha Eva para lhe fazer uma visita. Ela se surpreende ao encontrar sua outra filha, Helena, que tem problemas mentais. Eva tirou Helena da instituição na qual Charlotte a havia internado, para cuidar dela em casa. A tensão entre mãe e filha culmina num processo catártico, quando ambas falam tudo que sempre gostariam de ter dito.

Höstsonaten (Sonata de outono). Suécia, França, Alemanha Ocidental: 1978. Direção e roteiro: Ingmar Bergman. Elenco: Ingrid Bergman, Liv Ullmann, Lena Nyman, Halvar Björk, Marianne Aminoff e outros. Direção de fotografia: Sven Nykvist. Edição: Sylvia Ingemarsson. 99 min, em sueco, inglês, com legendas em português.

Entrada franca

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Comentários e críticas

O olho do Diabo

Djävulens öga • O olho do Diabo ― Ingmar Bergman (1960)

No dia 9 de julho, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum do Centro Cultural de Brasília (Jesuítas) apresenta a comédia O olho do Diabo, dirigida pelo sueco Ingmar Bergman (1918 –2007).

 A apresentação de O olho do Diabo insere-se no pequeno festival de comédias «Bendito riso», apresentado em julho, pelo Centro Cultural de Brasília, em quatro sessões.

 

Sinopse

«A castidade de uma mulher é um terçol no olho do Diabo». Com esse suposto provérbio, manufaturado por Bergman, tem início a comédia O Olho do Diabo, na qual Satã em pessoa acorda com um olho inchado por um terçol e seus assistentes descobrem que a causa é uma jovem filha de um pastor que está prestes a se casar virgem. Diante disso, o Diabo envia Don Juan e seu valete Pablo para seduzir a jovem Britt-Marie e evitar que ela chegue casta ao casamento. Eles irão encontrar o pai da jovem, o pastor, e sua esposa Renata. O Diabo ainda envia seu mais antigo e maléfico demônio para garantir que não se desviem da missão, e tudo isso é narrado por um personagem que aparece entre os atos fazendo comentários.

Djävulens ögaO olho do Diabo ― Ingmar Bergman (1960) Suécia. Roteiro: Ingmar Bergman. Elenco: Jarl Kulle, Bibi Andersson, Stig Järrel. (87 min). Distribuidor: Versatil Home Video. Idioma: Sueco, legendas em português.

 ENTRADA FRANCA

Classificação indicativa

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Críticas e comentários