Biutiful

Biutiful ( Alejandro G. Iñárritu, 2010)
14 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

Biutiful. Direção: Alejandro González Iñárritu. Roteiro: Alejandro G. Iñárritu, Nicolás Giacobone, Armando Bo. Música: Gustavo Santaolalla. Elenco: Javier Bardem, Maricel Álvarez, Hanaa Bouchaib, Guillermo Estrella, Eduard Fernández e outros.
― México; Espanha, 2010. 2h 28min. Em espanhol, wolof, chinês, com legendas em português.

Esta é a história de um homem que vive uma queda livre emocional. Em sua viagem em busca de redenção, a escuridão ilumina o seu caminho. Conectado ao outro mundo, Uxbal é um trágico herói e pai de dois filhos que, ao sentir o perigo iminente da morte, batalha contra uma dura realidade e um destino que o impede de perdoar, perdoar-se, por amor e para sempre.

Não recomendado para menores de 16 anos

 Críticas e comentários

A hora da estrela

A hora da estrela (filme)

No dia 27 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme A hora da estrela, dirigido pela cineasta brasileira Suzana Amaral.

A história de uma moça, tão pobre que só comia cachorro quente.
Mas a história não é isso, é sobre uma inocência pisada, de uma miséria anônima.

Clarice Lispector

Sinopse

Nordestina, analfabeta funcional, perdida na paisagem de concreto paulistana. A quase invisível Macabea sobrevive mal remunerada, subnutrida e maltratada. Crônica trágica de uma brasileira semelhante a milhões de outras. Quando sonha, perde a vida.

A hora da estrela. Brasil: 1985. Direção: Suzana Amaral. Produção: Assunção Hernandes. Roteiro: Suzana Amaral e Alfredo Oroz, baseado no romance homônimo de Clarice Lispector (1925-1977). Elenco: Marcélia Cartaxo, José Dumont, Tamara Taxman, Fernanda Montenegro, Manoel Luiz Aranha e outros. Música: Marcus Vinícius. Fotografia: Edgar Moura. Edição: Idê Lacreta. 98 min, em português.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

A gaiola dourada

A Gaiola dourada (Ruben Alves, 2013)

No dia 20 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme A gaiola dourada, dirigido pelo cineasta luso-francês Ruben Alves.

Sinopse

Em Paris, Maria e José Ribeiro vivem há mais de 30 anos no primeiro piso em alojamentos modestos de um prédio elegante. O casal de imigrantes portugueses é uma unanimidade na vizinhança. Maria, uma excelente zeladora, e José, um mestre de obras fora de série. Com o passar do tempo, tornaram-se indispensáveis na vida cotidiana de todos em seu entorno. Eles são tão queridos, dedicados e discretos, e estão tão bem adaptados que, no dia em que o sonho deles de voltar para Portugal em melhores condições se torna realidade, ninguém quer deixar os Ribeiros irem embora. Até onde serão capazes de ir sua família, seus vizinhos e seus patrões para mantê-los ali? E, depois de tudo que passaram, será que Maria e José querem mesmo deixar a França e abandonar sua preciosa gaiola dourada?

La cage dorée (A gaiola dourada). França: 2013. Direção: Ruben Alves. Roteiro: Ruben Alves, Luc-Olivier Veuve, Jean-André Yerles, Hugo Gélin. Elenco: Rita Blanco, Joaquim de Almeida, Roland Giraud, Chantal Lauby, Barbara Cabrita e outros. Fotografia: André Szankowski. Edição: Nassim Gordji Tehrani.
90 min, em francês, português, inglês, com legenda em português.

Não recomendado para menores de 10 anos.

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

A lenda do santo beberrão

La leggenda del santo bevitore

No dia 13 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme A lenda do santo beberrão, dirigido pelo cineasta italiano Ermanno Olmi.

Sinopse

Num período de poucos dias, em Paris dos anos 1930, a vida de Andreas, um andarilho, parece ser tomada, de súbito, por uma série de eventos inexplicáveis. Tudo começa quando um cavalheiro tromba com o nosso peculiar anti-herói. Sem motivos aparentes, o distinto senhor oferece ao pobre homem uma soma em dinheiro. Apesar de viver na miséria, Andreas, o andarilho, nutre valores inquebrantáveis de idoneidade e retidão, e só aceita o dinheiro com a condição de devolvê-lo. O cavalheiro propõe que ele devolva, quando puder, aquela soma a Santa Teresinha, numa dada igreja que ele indica. Mas aquele dinheiro que lhe cai às mãos é rapidamente gasto. Andreas, a partir do contato com outros inusitados personagens que cruzam seu caminho, parece fadado a uma espiral alucinante de sempre protelar o acerto de sua “dívida com a santa”. Vivendo às margens do rio Sena, que, naquele entreguerras, se mostravam uma verdadeira Babel de imigrantes desorientados e andantes sem destino, Andreas não deixa de ser um alter ego de Joseph Roth, autor do romance que inspira o filme, que preferia peregrinar a manter um lar definitivo, e que teria a bebida como acompanhante até o fim de seus dias.

La leggenda del santo bevitore (A lenda do santo beberrão). Itália, França: 1988. Direção: Ermanno Olmi. Roteiro: Tullio Kezich, Ermanno Olmi, baseado no romance póstumo Die Legende vom heiligen Trinker (1939) de Joseph Roth (1894–1939). Elenco: Rutger Hauer, Anthony Quayle, Sandrine Dumas, Dominique Pinon, Sophie Segalen e outros. Música: José Padilla. Fotografia: Dante Spinotti. Edição: Paolo Cottignola, Ermanno Olmi, Fabio Olmi. 127 min, em inglês, francês, com legenda em português.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

O cinema de Ermanno Olmi — Carlos Alberto Mattos (Críticos)

Bem-vindo

Welcome (Philippe Lioret, 2009)

No dia 6 de outubro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Bem-vindo, dirigido pelo cineasta francês Philippe Lioret.

Bem-vindo, do diretor Philippe Lioret, é um filme maior.
É um dos mais belos de todos os tempos sobre esse tema importantíssimo, a imigração.

Sérgio Vaz

Sinopse

Bilal, 17 anos, deixou o Iraque depois de a sua namorada ter emigrado para o Reino Unido. Vive uma viagem aventureira pela Europa só para a voltar a ver. Mas no Norte de França a caminhada chegou abruptamente ao fim. Bilal e Mina estão separados pelo Canal da Mancha – o mais movimentado do mundo. Terá Bilal a coragem para o atravessar? É então que começam os treinos na piscina local. Lá conhece Simon, o nadador-salvador, que lhe ensina o nado crawl depois de o jovem lhe confidenciar o seu plano.

Welcome (Bem-vindo). França: 2009. Direção: Philippe Lioret. Roteiro: Philippe Lioret, Emmanuel Courcol, Olivier Adam. Elenco: Vincent Lindon, Firat Ayverdi, Audrey Dana, Derya Ayverdi, Thierry Godard e outros. Música: Nicola Piovani. Fotografia: Laurent Dailland. Edição: Andrea Sedlácková. 110 min, em francês, inglês, turco, curdo, com legenda em português.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Entrada franca

Comentários, críticas, textos de apoio

Uma voz nas sombras

uma-voz-nas-sombras

Pequeno Festival
SIDNEY POITIER

No dia 25 de novembro, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (Jesuítas) apresenta o filme Uma voz nas sombras, dirigido pelo cineasta americano Ralph Nelson (1916–1987). 

Olhem como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. Eu, porém, lhes digo: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles.

Mateus 6, 28-29

Sinopse

Um trabalhador itinerante, passando pelo Arizona, encontra-se com cinco mulheres que tentam soerguer uma pequena e improdutiva fazenda.  A contragosto e sem pagamento, o hábil operário realiza o reparo de um telhado e vai envolvendo-se em outros afazeres. Essas mulheres são freiras alemãs e o incubem de construir uma nova capela para o local. O filme é uma doce parábola que evoca a confiança na Providência.

Lilies of the Field (Uma voz nas sombras). Estados Unidos: 1963, 94 min, P&B, em inglês, alemão, espanhol, com legendas em português. Direção: Ralph Nelson. Produção: Ralph Nelson, J. Paul Popkin. Roteiro: James Poe, baseado na novela “Lilies of the Field”, de William E. Barrett (1900–1986). Elenco: Sidney Poitier, Lilia Skala, Lisa Mann.

Entrada franca

Livre para todos os públicos

Caché

Caché

No dia 25 de março, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (jesuítas) apresenta o filme Caché (2005), dirigido pelo austríaco Michael Haneke.

A apresentação de Caché pretende contribuir na reflexão sobre o tema da Campanha da Fraternidade 2014«Fraternidade e Tráfico Humano». 

«É uma história sobre culpa, sobre as coisas incômodas que escondemos de nós mesmos.»

Daniel Piza

Sinopse

Um casal recebe uma fita de vídeo com imagens de sua casa, que fora filmada por uma câmara instalada na rua. Depois disso começam a receber desenhos aterrorizantes. Assustado, o casal tenta descobrir o autor daquelas misteriosas ameaças que perturbam a paz de sua família. Logo percebem que quem os persegue conhece mais sobre o seu passado do que eles poderiam esperar.

Caché (Caché). França, Áustria, Alemanha, Itália, Estados Unidos: 2005, 113 min, em Francês, com legendas em português. Direção: Michael Haneke. Elenco: Daniel Auteuil, Juliette Binoche, Maurice Bénichou. Distribuidor: Sony Pictures Classics.

Entrada franca.

Não recomendado para menores de 16 anos

Leituras indicadas