A felicidade não se compra

A felicidade não se compra (Frank Capra, 1946)

13 DE DEZEMBRO
terça-feira − 19h30

It’s a wonderful life (A felicidade não se compra). Direção: Frank Capra. Produção: Frank Capra. Roteiro: Frances Goodrich, Albert Hackett, Frank Capra, Jo Swerling, Philip Van Doren Stern, Michael Wilson. Elenco: James Stewart, Donna Reed, Lionel Barrymore, Thomas Mitchell, Henry Travers e outros.
― Estados Unidos, 1946. P&B, 2h 10min. Em inglês, com legendas em português.

Na véspera de Natal, o caridoso George Bailey decide se suicidar por não ter como pagar uma dívida inesperada. Ele é salvo por seu anjo da guarda, que lhe mostra como as vidas de tantas pessoas e sua cidade seriam diferentes se ele não tivesse nascido e feito de sua vida um serviço de amor aos outros. Um conto de Natal, com renovada esperança no gênero humano.

Livre para todos os públicos

Críticas e comentários

Crepúsculo dos deuses

Crepúsculo dos deuses (Billy Wilder, 1950)
17 DE MAIO
terça-feira − 19h30

Sunset Boulevard (Crepúsculo dos deuses). Direção: Billy Wilder. Produção: Charles Brackett. Roteiro: Charles Brackett, Billy Wilder, D.M. Marshman Jr. Música: Franz Waxman. Fotografia: John F. Seitz. Edição: Arthur P. Schmidt. Direção de arte: Hans Dreier, John Meehan. Decoração de interiores: Sam Comer, Ray Moyer. Figurino: Edith Head. Elenco: Gloria Swanson, William Holden, Erich von Stroheim, Nancy Olson, Fred Clark e outros.
― Estados Unidos, 1950. P&B, 1h 50min. Distribuição: Paramount Classics. Em inglês, com legendas em português.

Gloria Swanson como Norma Desmond, uma ex-rainha do cinema mudo, e William Holden, como um roteirista desconhecido, envolvido por ela, criaram dois memoráveis personagens neste filme. Vencedora de três Oscar, a versão do diretor Billy Wilder desta bizarra história é um verdadeiro clássico do cinema. Da inesquecível primeira cena até o inevitavelmente trágico desfecho, o filme é a palavra final sobre o lado cruel de Hollywood. Erich von Stroheim, como o descobridor, ex-marido e mordomo, e Nancy Olson, com o toque de brilho nesta sombria tragédia, forma igualmente aclamados por suas excelentes interpretações.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

«Sunset Boulevard é um dos filmes mais cruelmente amargos que já foram feitos sobre a indústria cinematográfica.
Na verdade, é um dos filmes mais cruelmente amargos que já foram feitos.»

Sérgio Vaz

 

Críticas e comentários