A dança dos vampiros

A dança dos vampiros (Roman Polanski, 1967)

Dance of the Vampires [The Fearless Vampire Killers or: Pardon Me, But Your Teeth Are in My Neck]  (A dança dos vampiros). Direção: Roman Polanski. Produção: Gene Gutowski. Roteiro: Gérard Brach, Roman Polanski. Música: Krzysztof Komeda. Fotografia: Douglas Slocombe. Edição: Alastair McIntyre. Design de produção: Wilfred Shingleton. Direção de arte: Fred Carter. Figurino: Sophie Devine. Maquiagem: Tom Smith. Elenco: Jack MacGowran, Roman Polanski, Alfie Bass, Jessie Robins, Sharon Tate e outros. ― 1967, Estados Unidos; Reino Unido. 1h 48min. Em Inglês. Classificação indicativa: 12 anos.

Um caçador de vampiros, o professor Abronsius, e seu jovem e covarde assistente Alfred chegam a uma vila da Transilvânia onde se hospedam a fim de se prepararem para eliminar os vampiros da região. Alfred se apaixona pela filha do dono da estalagem. Quando ela é sequestrada pelo vampiro, Conde Von Krolock, os dois invadem seu castelo, para resgatar a moça e impedi-lo de continuar bebendo o sangue da população da vila. Acabam ficando presos no castelo habitado por dezenas de sugadores de sangue, que se preparam para o seu baile anual.

Ficha técnica: [IMDB]

Comentários e críticas

 

As 7 Faces do Dr. Lao

As 7 Faces do Dr. Lao (George Pal, 1964)

7 Faces of Dr. Lao (As 7 Faces do Dr. Lao). Direção e produção: George Pal. Roteiro: Charles Beaumont, Ben Hecht, Charles G. Finney, baseado no romance The Circus of Dr. Lao (1935), de Charles G. Finney. Música: Leigh Harline. Fotografia: Robert J. Bronner. Edição: George Tomasini. Direção de arte: George W. Davis, Gabriel Scognamillo. Maquiagem: William Tuttle. Elenco: Tony Randall, Barbara Eden, Arthur O’Connell, John Ericson, Noah Beery Jr. e outros. ― 1964, Estados Unidos. 1h 40min. Em inglês. Classificação indicativa: Livre.

Dr. Lao, um chinês de 7.322 anos, leva seu circo cheio de atrações para Abalone, cidade no oeste americano dominada pelo rico rancheiro Clint Stark. Lao se une ao dono do jornal local Ed Cunningham para tentar alterar a vida dos cidadãos locais.

Ficha técnica: [IMDB]

Comentários e críticas

 

A hora do lobo

9 maio
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Anteriormente programado para dia 2 de maio,
foi transferido para 9 de maio, por questões técnicas.

Vargtimmen (A hora do lobo). Direção e roteiro: Ingmar Bergman. Produção: Lars-Owe Carlberg. Música: Lars Johan Werle. Fotografia: Sven Nykvist. Edição: Ulla Ryghe. Elenco: Max von Sydow, Liv Ullmann, Gertrud Fridh, Georg Rydeberg, Erland Josephson e outros.
― 1968, Suécia. P&B, 1h 30min. Em sueco, norueguês, com legendas em português.

Um pintor e sua esposa vão morar em uma ilha afastada e conhecem um misterioso grupo de pessoas que passam a trazer angústias ainda maiores à vida do casal, que já estava atormentado pelos pesadelos do pintor e por conflitos psicológicos. Durante a hora do lobo, entre a meia-noite e a aurora, ele conta para sua esposa suas memórias mais dolorosas, e começa a questionar a própria lucidez.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Persona

18 abril
quarta-feira, 19:30 — Centro Cultural de Brasília

Persona. Direção, produção e roteiro: Ingmar Bergman. Música: Lars Johan Werle. Fotografia: Sven Nykvist. Edição: Ulla Ryghe. Design de produção: Bibi Lindström. Elenco: Bibi Andersson, Liv Ullmann, Margaretha Krook, Gunnar Björnstrand. ― 1966, Suécia. P&B, 1h 25min. Em sueco, inglês, com legendas em português.

Uma famosa atriz de teatro sofre uma crise emocional e emudece. Para se recuperar, parte para uma casa de campo, sob os cuidados de uma enfermeira, que a admira e tenta compreender a razão de seu silêncio. Isoladas, as duas mulheres desenvolvem uma relação de forte intensidade emocional.

Este filme é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

  • Persona — Gilberto Silva Jr. (Contracampo)
  • Persona — Sérgio Vaz (50 Anos de Filmes)
  • Persona — Luiz Santiago (Plano Crítico)
  • Persona — Roger Ebert