A sedutora Madame Bovary

20 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

Madame Bovary (A sedutora Madame Bovary). Direção: Vincente Minnelli. Produção: Pandro S. Berman. Roteiro: Robert Ardrey, baseado no romance Madame Bovary (1857), de Gustave Flaubert  (1821–1880). Música: Miklós Rózsa. Fotografia: Robert H. Planck. Edição: Ferris Webster. Direção de arte: Cedric Gibbons e Jack Martin Smith. Elenco: Jennifer Jones, James Mason, Van Heflin, Louis Jourdan, Alf Kjellin e outros.
― 1949, Estados Unidos.  P&B, 1h 54min. Em inglês, com legendas em português.

Emma – sonhadora e de alma burguesa – casa-se com Charles, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento da filha dá alegria ao indissolúvel casamento ao qual a protagonista se sente presa. Emma, cada vez mais angustiada e frustrada, busca no adultério uma forma de encontrar a liberdade e a felicidade.
Madame Bovary, de Gustave Flaubert, é uma das obras-primas do realismo/naturalismo francês. Sua publicação produziu tamanho impacto na sociedade que seu autor foi levado aos tribunais, acusado de ultraje à moral pública e religiosa e aos bons costumes. Em sua defesa, Flaubert dirá a célebre frase “Emma Bovary c’est moi!” (Emma Bovary sou eu). O filme inicia com a defesa de Flaubert no tribunal. Ao fazer sua argumentação, o autor narra aos espectadores o romance.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Branca de Neve


6 DE JUNHO
terça-feira − 19h30

Blancanieves (Branca de Neve). Direção e roteiro: Pablo Berger. Produção: Pablo Berger, Ibon Cormenzana, Jérôme Vidal. Música: Alfonso de Vilallonga. Fotografia: Kiko de la Rica. Edição: Fernando Franco. Figurino: Paco Delgado. Elenco: Macarena García, Maribel Verdú, Emilio Gavira, Daniel Giménez Cacho, Inma Cuesta e outros.
― 2012, Espanha, Bélgica, França. P&B, silencioso, 1h 44min. Em espanhol, com legendas em português.

Sevilha da década de 1920. Antônio Villalta é um toureiro, o mais famoso e adorado da Espanha. Ferido em uma tourada, fica à beira da morte. Enquanto isso, sua esposa dá à luz uma menina e morre. A garota, Carmencita, cresce aos cuidados da avó. Já o toureiro, que ficou paraplégico, casa-se com a enfermeira que tratou dele no hospital, Encarna. Com a morte da avó, a menina é mandada para a casa do pai, com quem nunca teve contato. A madrasta a proíbe de subir para o segundo andar, onde seu pai vive confinado. Porém, a menina tanto faz que reencontra o toureiro, solitário numa cadeira de rodas preso a um quarto. Se, num primeiro momento, há estranhamento entre eles, com o tempo se tornam amigos, e ele lhe ensina técnicas de tourada. Percebendo a situação, Encarna obriga o motorista a matar a menina, mas ele não consegue. A menina se integra à trupe de seis anões toureiros, que a chamam de Branca de Neve.

 

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Comentários e críticas

O prisioneiro de Zenda


23 DE MAIO
terça-feira − 19h30

The Prisoner of Zenda (O prisioneiro de Zenda). Direção: Richard Quine. Produção: Walter Mirisch. Roteiro: Dick Clement, Ian La Frenais, Edward E. Rose, baseado no romance The Prisoner of Zenda (1894), de Anthony Hope (1863–1933). Música: Henry Mancini. Fotografia: Arthur Ibbetson. Edição: Byron Buzz Brandt. Elenco: Peter Sellers, Lynne Frederick, Lionel Jeffries, Elke Sommer, Gregory Sierra e outros.
― 1979, Estados Unidos, Universal Pictures. 1h 48min. Em inglês, com legendas em português.

O rei de Ruritânia, Rudolf IV (Peter Sellers), morre no dia do seu aniversário dando lugar aos previsíveis problemas de sucessão. Rudolf V, aliás Rudy (Peter Sellers), é um boêmio e que mantém devaneios amorosos com a mulher de um duque (Jeremy Kemp). O seu meio-irmão (Stuart Wilson) não está disposto a permitir que Rudy seja coroado rei, pelo que tenta matá-lo a todo o custo. Depois de várias tentativas de assassinato, o homem de confiança de Rudy encontra o condutor de carruagem Syd Frewin (Peter Sellers), sósia de Rudolf V, para o substituir até ao dia da coroação.

Não recomendado para menores de 12 (doze) anos

Outras versões de O Prisioneiro de Zenda

  • The Prisoner of Zenda. Direção: Hugh Ford, Edwin S. Porter. Elenco: James K. Hackett, Beatrice Beckley, David Torrence.
    ― 1913, Estados Unidos, Famous Players Film Company. P&B, silencioso.
  • The Prisoner of Zenda. Direção: George Loane Tucker. Elenco: Henry Ainley, Jane Gail, Gerald Ames.
    ― 1915, Reino Unido, London Film Productions. P&B, silencioso.
  • The Prisoner of Zenda. Direção: Rex Ingram. Elenco: Lewis Stone, Alice Terry, Robert Edeson.
    ― 1922, Estados Unidos, Metro Pictures Corporation. P&B, silencioso.
  • The Prisoner of Zenda. Direção: John Cromwell, W.S. Van Dyke. Elenco: Ronald Colman, Madeleine Carroll, C. Aubrey Smith.
    ― 1937, Estados Unidos, Selznick International Pictures. P&B.
  • The Prisoner of Zenda. Direção: Richard Thorpe. Elenco: Stewart Granger, Deborah Kerr, Louis Calhern.
    ― 1952, Estados Unidos, Metro-Goldwyn-Mayer. Technicolor.

Polyester

16 DE MAIO
terça-feira − 19h30

Polyester. Direção, produção e roteiro: John Waters. Música: Michael Kamen. Fotografia: David Insley. Edição: Charles Roggero. Elenco: Divine, Tab Hunter, Edith Massey, David Samson, Mary Garlington e outros.
― Estados Unidos, 1981. 1h 26min. Em inglês, com legendas em português.

Francine, dedicada dona de casa, luta para salvar seu casamento e dar um bom futuro para seus filhos. As coisas não são fáceis para ela: seu marido tem um caso com a secretária, sua filha é ninfomaníaca e seu filho, um maníaco pedólatra. As circunstâncias a levam ao alcoolismo, chegando ao fundo do poço. Felizmente, com a ajuda de uma amiga – sua ex-empregada que virou milionária – Francine consegue dar a volta por cima. Polyester é uma comédia mórbida, satirizando a família perfeita norte-americana. O humor e o deboche são mesclados em moderada acidez. Francine é interpretada por Divine (1945–1988), famosa drag queen.

Críticas e comentários

A bela moleira

A bela moleira (Mario Camerini, 1955)
6 DE SETEMBRO
terça-feira − 19h30

La bella mugnaia (A bela moleira). Direção: Mario Camerini. Produção: Dino De Laurentiis; Carlo Ponti. Roteiro: Augusto Camerini, Mario Camerini, Sandro Continenza, Ennio De Concini, Ivo Perilli, baseado no romance El sombrero de tres picos (1874), de Pedro Antonio de Alarcón. Música: Angelo Francesco Lavagnino. Fotografia: Enzo Serafin. Edição: Gisa Radicchi Levi. Elenco: Vittorio De Sica, Sophia Loren, Marcello Mastroianni, Paolo Stoppa, Yvonne Sanson e outros.
― Itália, 1955. 1h 38min. Em italiano, com legendas em português.

Final do século 17, em uma Nápoles sob jugo espanhol, todos os cidadãos da cidade são obrigados a pagar imposto até sobre a chuva, mesmo que ela não caia. A exceção é feita para o moleiro Luca (Marcello Mastroianni), casado com Carmela (Sophia Loren), a mulher mais bonita e desejada da região, e que só por isso é favorecido pelo poderoso governador Teófilo (Vittorio De Sica), que cobiça a mulher do moleiro.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

#SophiaLoren82

Chinatown

Chinatown (Roman Polanski, 1974)
16 FEV
terça-feira − 19h30

Chinatown. Direção: Roman Polanski. Produção: Robert Evans. Roteiro: Robert Towne. Elenco: Jack Nicholson, Faye Dunaway, John Huston, Perry Lopez, John Hillerman e outros.
― Estados Unidos, 1974. Cor, 130 min. Distribuição: Paramount Pictures. Em inglês, cantonês, espanhol, com legendas em português.

Jack Nicholson é Jake Gittes, um esperto detetive particular que leva uma vida tranquila no clima de moral duvidosa, em Los Angeles antes da Segunda Guerra. Contratado para investigar um caso extraconjugal, Gittes, inadvertidamente, se envolve numa rede de negócios escusos e traição. O que a princípio parece ser um caso simples, vai surgindo como um redemoinho de escândalo político, corrupção generalizada e sombrios segredos de família, tudo revelado em uma noite em Chinatown.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Críticas e comentários

Tabu

Tabu (Miguel Gomes, 2012)

No dia 6 de maio, terça-feira, às 19h30, o Cine-Fórum CCB (jesuítas) apresenta o filme Tabu (2012), dirigido pelo cineasta português Miguel Gomes.

A apresentação de Tabu insere-se no Pequeno Festival Nossa Língua Portuguesa.

Sinopse

Uma idosa temperamental, a sua empregada cabo-verdiana e uma vizinha dedicada a causas sociais partilham o andar num prédio em Lisboa. Quando a primeira morre, as outras duas passam a conhecer um episódio do seu passado: uma história de amor e crime passada numa África de filme de aventuras.

Tabu. Portugal, Alemanha, Brasil, França: 2012, 118 min, P&B, em português, inglês, polonês. Direção: Miguel Gomes. Roteiro: Miguel Gomes, Mariana Ricardo. Elenco: Teresa Madruga, Laura Soveral, Ana Moreira, Henrique Espírito Santo, Carloto Cotta, Isabel Cardoso, Ivo Müller, Manuel Mesquita

Entrada franca.

Não recomendada para menores de 14 (quatorze) anos

Leituras indicadas